Já imaginou aprender tudo sobre alimentação sustentável e, ao mesmo tempo, ganhar uma viagem a Londres, na Inglaterra? Essa foi uma das propostas do Food 2.0: O Futuro da Alimentação Sustentável – a visão de jovens do Rio e de Londres”, um projeto de pesquisa-ação promovido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio).

“Parei de consumir leite industrializado e diminuí o açúcar e o sal nas alimentações. E também reduzi, com o intuito de parar, o consumo de margarina”, conta Christian dos Santos, um dos jovens da cidade do Rio que participou das oficinas no Food 2.0. Esse foi apenas um dos resultados do projeto. Entre maio e junho deste ano, 18 jovens de favelas e bairros periféricos cariocas participaram de quatro oficinas, no espaço do Observatório de Favelas, Zona Norte da cidade. Os assuntos de destaque foram: aproveitamento integral dos alimentos, comidas afetivas (como os bolinhos de chuva da vovó), cultura alimentar na periferia e até mesmo como fazer a sua própria horta em casa.

Com recursos do Fundo Newton, através da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), o projeto Food 2.0: O Futuro da Alimentação Sustentável – a visão de jovens do Rio e de Londres vem sendo desenhado desde 2014 e, finalmente, em maio passado, os jovens foram selecionados.“Tudo que foi feito aqui, também foi feito em Londres, com os jovens das periferias de lá”, explica a professora Rita Afonso, da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis da UFRJ e uma das coordenadoras do projeto.

A fase final foi um vídeo de cinco minutos, produzido pelos jovens. Em trios e com o apoio técnico de alunos da universidade e do Observatório de Favelas, eles produziram os seus trabalhos. O ganhador foi: Grupo SlumFood Trio (Succo Emici, Fernando Fonseca e Janaína Mello) / com o vídeo: Raiz . O prêmio é uma viagem a Londres, em outubro, para conhecer os parceiros que apoiaram o projeto, os jovens londrinos participantes e o funcionamento do sistema de alimentação do país.

Os demais participantes e seus vídeos foram: grupo Trio Bioporã, com o vídeo You Food ; grupo Corte Seco, com o vídeo More Maré ; grupo TEA - Taste and Experience of Angatu, com o vídeo Sabor e experiência de bem-estar  e grupo Meninas Quebradeiras, com o vídeo: A arte de saber comer . Os jurados usaram critérios como abordagem do tema sustentabilidade e futuro da alimentação, linguagem e qualidade técnica, criatividade, potencial estético e participação ativa nas redes sociais durante as oficinas e a filmagem.

Na Inglaterra, o resultado saiu no ano passado e, em fevereiro, os jovens ganhadores estiveram no Rio de Janeiro como prêmio. A atriz e escritora Jasmine Adolphus-Edie, de 25 anos, foi uma das vencedoras, com o vídeo em inglês Food Wastage & Food Futures: https://www.youtube.com/watch?v=TRwCeDTDrYo, sobre desperdício de alimentos e o impacto dessa perda para o país. “Participar desse projeto me despertou para a quantidade de comida que desperdiçamos no Reino Unido. Mudou a maneira como eu me alimento; agora, tenho muito mais consciência daquilo que consumo”, conta a jovem moradora do bairro de Peckham, em Londres. 

A estudante de Artes Cênicas Anny Caroline de Paula, de 23 anos, participou do Food 2.0 e já adaptou receitas em casa e se envolveu em uma iniciativa de hortas comunitárias na Zona Oeste do Rio, onde mora com a família. Até sua irmã mais nova, de 13 anos, aprovou a receita de hambúrguer de casca de banana que Anny adaptou a partir de uma das oficinas.“