Um primeiro passo para quem pretende adotar hábitos alimentares saudáveis é reduzir cortar consumo de guloseimas. Balas, pirulitos e outros doces semelhantes têm altos teores de açúcares, além de corantes e conservantes, e nada de nutritivo. A maneira mais fácil para que as crianças não tenham acesso a eles é bem simples: não comprar.

Segundo a pediatra Marcia Schneider, especialista em Nutrologia Pediátrica e membro da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, os manuais e guias de alimentação não descrevem quantidades de guloseimas aceitáveis no cardápio infantil: "Na prática, eu oriento evitar. Combino com os pais de não ter em casa esses alimentos e consumi-los raramente", afirma ela, lembrando que pesquisas já mostraram que o maior consumo de guloseimas costuma ocorrer em casa, pois a família e os cuidadores compram.

A médica explica que vetar totalmente esses produtos é quase impossível, especialmente porque, à medida que a criança adquire autonomia, ela passa a não contar com a vigilância permanente da família. "Proibir não é possível. A palavra tara mais repetida", orienta ela, que recomenda aos pais ensinar o que a criança deve e não deve comer num aniversário. "Nas festinhas, não acho que proibir tudo seja o melhor caminho. Esses momentos são muito los e fazem parte da infância. Oriento os pais a combinar com a criança as melhores opções e quantidades. Por exemplo, ela deve intercalar refrigerante com água. E não comer apenas os salgadinhos fritos."

Também no cotidiano, as crianças maiores devem ter a chance de fazer escolhas: "Com crianças por volta dos 10 anos, combino a porção de açúcar que está liberada por dia. Se ela quer pchocolatado no leite, não pode tomar refrigerante. Se ela optar por fazer uma vitamina de frutas, ela pode comer a sua porção de açúcar na forma de bombom."  Por isso, quanto mais tarde esse tipo de alimento for oferecido, melhor: "A aceitação do sabor doce é inata. Quanto mais cedo as crianças têm contato com guloseimas, mais cedo elas desenvolvem o hábito de consumi-las."

A especialista também rechaça estratégias adotadas por algumas famílias de oferecer sobremesa como prêmio ou compensação. "A sobremesa doce não deve ser dada como recompensa. Ela apenas faz parte do menu daquele dia. Mas não deve ser um hábito. Ao valorizar a sobremesa, tu tiras o foco de maior importância da refeição principal, e a criança passa a encarar a refeição salgada como sacrifício/p>

 

Veja outras dicas para reduzir o consumo de guloseimas*

Sirva porções pequenas: Não é necessário eliminar os doces e as sobremesas, mas ensine a seus filhos que quantidades pequenas são suficientes. Use taças e pratos menores para servir esses alimentos.

Ofereça sucos: Refrigerantes e outros refrescos doces contêm muito mais açúcar e calorias. Quando as crianças estiverem com sede, ofereça água.

No supermercado, dirija-se ao caixa que não tenha doces: A maior parte dos supermercados tem caixas com e sem doces à vista. Escolha o que não tem.

Não ofereça doces como recompensa: Recompense seus filhos com palavras carinhosas e abraços de consolo.

Ofereça frutas como sobremesa diariamente: Sirva maçãs ou peras assadas ou ainda uma salada de frutas. Faça picolés de suco natural.

Torne as comidas saudáveis divertidas: As guloseimas são vendidas como "comidas divertidas". Recorra à criatividade para criar carinhas sorridentes com bananas e passas. Use moldes para cortar as frutas em formatos atraentes.

Estimule seus filhos a criar lanches novos: Prepare lanches com cereais de grãos integrais e frutas secas. Deixe que as crianças provem e elejam o que querem como lanche diferente.

Brinque de detetive com as caixas de cereais: Ensine as crianças a encontrar a quantidade total de açúcar nas caixas de cereais. Estimule-os a comprar o produto de que gostam e a selecionar o que tenha menos açúcar.

Faça com que as guloseimas sejam consumidas em ocasiespeciais, não cotidianas: Guloseimas svem ser consumidas esporadicamente.

Se a criança não comeu a refeição, não dê um doce: Doces e biscoitos não devem substituir os alimentos que não foram consumidos no horário adequado.

*Traduzido e adaptado de ChooseMyPlate.org.