Os brasileiros estão comendo diariamente mais frutas e hortaliças, segundo dados do Ministério da Saúde. Isso mostra que a população está mais preocupada em fazer uma alimentação saudável, uma das medidas mais eficazes na prevenção da obesidade na infância e na adolescência. Porém, é importante aproveitar bem esses alimentos para usufruir todos os seus benefícios.

Cozinhar os vegetais é uma boa forma de oferecer esse alimento às crianças. “As melhores formas de cozimento são no vapor, em primeiro lugar, e na água, que deve ser usada em seguida para cozinhar arroz ou feijão, por exemplo. Mas, se a criança ou adolescente preferir o legume refogadinho, não tem problema. O importante é que ela coma o vegetal! Às vezes, o ótimo é inimigo do bom”, diz a nutricionista Bia Rique, chefe do Serviço de Nutrição da 38ª Enfermaria da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro e representante oficial da Academia Americana de Nutrição no Brasil.

Bia comenta, por exemplo, que é mais fácil as crianças gostarem da flor do brócolis do que do talo ou da folha. Às vezes, essas partes não são aproveitadas por desconhecimento, mas têm grande valor e ficam ótimas dependendo da forma de preparo. “Podem virar uma sopa ou um purê verde, misturadas com batata, inhame e aipim”, sugere Bia.

Bia dá quatro dicas para introduzir legumes e verduras na dieta das crianças:

1. Pique os legumes em cubos minúsculos e as folhas em tiras fininhas. É mais fácil a criança provar um pedacinho de pepino do que uma rodela inteira.

2. Varie nas cores e nos sabores. A criança pode não querer o verde, mas pode aceitar o roxo ou o vermelho.

3. Comida gostosa é comida temperada. Faça um molho com azeite, limão e uma pitada de sal e misture à salada num recipiente grande e fundo, fazendo com que cada um dos pedacinhos fique impregnado de molho.

4. Caso, ainda assim, a criança não aceite os vegetais, misture-os na sua comida favorita. Desse modo, ela vai gostar menos do seu prato preferido, mas vai gostar mais da salada.