O caminho para manter o seu filho no peso adequado é cheio de armadilhas. Conheça a seguir os cinco obstáculos à alimentação balanceada e as estratégias para vencê-los.

 

1) Gostaria de oferecer mais frutas, verduras e legumes aos meus filhos, mas os alimentos frescos são caros.

– As frutas, os legumes e as verduras frescas podem ser mais acessíveis do que você imagina, especialmente se eles são comprados em sua época de colheita. Compare os custos desses produtos com os de outros alimentos industrializados que você oferece à sua família, tais como Biscoitos, salgadinhos, congelados, embutidos e sucos artificiais. Além de eles serem mais caros, são pouco nutritivos. Dois terços de todas as frutas e mais da metade dos vegetais frescos custam menos que as suas versões processadas, comprovam as pesquisas. Procure comprar os alimentos em mercados, feiras livres e feiras de produtores, hortifrutis, sacolões volantes e em outros locais que vendem variedades de alimentos in natura ou minimamente processados, dando preferência a orgânicos da agroecologia familiar. Tente participar de grupos de compra de alimentos orgânicos adquiridos diretamente de produtores e de hortas comunitárias.

 

 2) Eu tento oferecer uma maior variedade de vegetais ao meu filho com sobrepeso, mas, definitivamente, ele odeia verduras. Só quer saber de batata frita.

– Os pais devem proporcionar a seus filhos uma alimentação balanceada, o que inclui uma variedade de verduras, legumes e vegetais. Pode ser frustrante quando as crianças empurram os pratos e se recusam a provar um alimento novo. Mas não desista tão facilmente, seja persistente. A boa notícia é que, com o tempo, a maioria das crianças desenvolve o gosto por alimentos saudáveis e aceita uma dieta balanceada. A formação do hábito alimentar é determinada também pela frequência com que os alimentos considerados saudáveis são oferecidos. Inicialmente, eles podem ser rejeitados pela criança.. É necessário oferecê-los, pelo menos, de cinco a dez vezes. Dependendo da idade, e acompanhada por um adulto, a criança pode ajudar a preparar a própria refeição. Isso ajuda na aceitação de um novo alimento. Crie receitas com seus filhos. Alguns preferem os vegetais em sopas, ou cozidos ou crus. Quando comer fora, acompanhe seus filhos aos pratos com saladas. Mostre a variedade e o incentive a experimentar diferentes verduras e legumes. Explique os benefícios de a pessoa consumir pelo menos uma porção de vegetais em cada refeição e uma fruta no lanche ou na sobremesa. Seja você o exemplo.

 

3) Sei que o meu filho está acima do peso e não deveria comer sobremesa após as refeições ou tomar suco adoçado todos os dias, mas me sinto mal em fazer restrições.

– Não se esqueça do motivo de estar fazendo as restrições e as mudanças na dieta do seu filho. A saúde dele é prioridade. Você não precisa ser tão radical e eliminar completamente as sobremesas que o seu filho mais gosta, porém, guarde as guloseimas, como sorvetes, biscoitos e chocolates para as ocasiões especiais, quando de fato existirem. E as ofereça em pequenas porções. Use a criatividade para preparar sobremesas saudáveis, como, por exemplo, um prato à base de frutas ou bolo caseiro. Prefira os sucos naturais e o leite desnatado. Em pouco tempo, seu filho deixará de insistir em comer guloseimas calóricas.

 

4) Já tentei me livrar dos alimentos pouco saudáveis na minha casa, mas os outros adultos da família não estão dispostos a renunciá-los.

– Se outros adultos na sua casa insistem em consumir alimentos com alto teor de gordura, sal e açúcar, resista. Em apoio aos esforços do seu filho para perder peso, é essencial a participação de toda a família. Converse e mostre a importância de todos manterem uma alimentação balanceada para uma vida mais saudável. Se, mesmo assim, eles não se convencerem, peça ajuda ao pediatra e ao nutricionista. Eles poderão motivar a família a fazer as mudanças necessárias na alimentação para o bem de todos. Caso, depois disso, os adultos ainda insistam em comer alimentos pouco nutritivos e prejudiciais à saúde, que façam isso, por exemplo, no trabalho, bem longe das crianças.

 

5) Quando saímos para comer fora, quase sempre optamos por restaurantes a quilo. Meu filho está acima do peso, mas adora ir a esses lugares e terminamos comendo demais.

– Vocês podem comer em restaurantes a quilo de vez em quando. Prefira os alimentos com menor quantidade de gordura, sal e açúcar. Passe bem longe das frituras. Cuidado para não sabotar os esforços para manter o seu filho no peso saudável. Muitos restaurantes divulgam a informação nutricional dos seus cardápios, o que ajuda a fazer as escolhas saudáveis. Prepare o seu prato e o do seu filho com porções pequenas, de preferência em pratos menores. Lembre-se: se ainda sentirem fome, podem se servir novamente. Tente montar metade dos pratos com verduras e legumes. E não abuse dos molhos nas saladas. Fique atento ainda ao excesso de sal. Quanto menos tempo passarem nesse tipo de restaurante, menor o risco de ficarem comendo por comer. O pediatra Hélio Rocha, chefe do Serviço de Nutrologia Pediátrica do Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira (UFRJ), diz que é importante que se estabeleça uma quantidade de comida que será consumida. Por exemplo, 250g para um adulto saudável e 150 a 200g para uma criança e um adolescente. Limitando o peso do que será consumido, pode-se ter um pouco mais de liberdade para deixar a adaptação ao consumo de verduras e legumes acontecerem de forma gradativa. Como estes pesam menos, a criança vai percebendo que fica mais saciada quando os ingere junto com outras comidas.

 

Fontes: pediatra Hélio Rocha, chefe do Serviço de Nutrologia Pediátrica do Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), “Parent's Guide to Childhood Obesity: A Road Map to Health”, da Academia Americana de Pediatria e “Choose My Plate”, do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.