É consenso que consumir alimentos orgânicos faz bem à saúde. Quando o assunto é nutrição de crianças - que estão em plena fase de desenvolvimento –, incluir alimentos dessa natureza nas suas dietas só traz benefícios. 

Uma em cada três crianças no Brasil sofre de obesidade. E iniciativas que promovam a alimentação balanceada e nutritiva são essenciais no combate à epidemia de excesso de peso. Seguindo essa linha, uma ação transformadora ganha espaço em escolas de cidades brasileiras, como Rio e São Paulo, e tornou lei um projeto nesse sentido. No Estado do Rio de Janeiro, cinco municípios já fazem parte do “Projeto Alimentação Escolar Saudável”, criado com o objetivo de promover e desenvolver a alimentação saudável nas merendas escolares.

A ideia e a gestão do projeto ficaram por conta da ONG Planeta Orgânico, que também lançou um prêmio (com o mesmo nome) para promover a ideia.

“Há dois anos, levamos esse projeto ao Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), e apresentamos a ideia de um prêmio voltado para a redução de sódio e açúcar e para estimular as escolas a melhorar a alimentação das cantinas escolares”, diz Maria Beatriz Martins Costa, diretora da ONG Planeta Orgânico. A ONG também procurou a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), que embarcou na iniciativa, junto com o Serviço Social da Indústria (Sesi), uma de suas organizações.

“As pessoas nem se dão conta do quão transformador é você trabalhar a cantina das escolas. É através das escolas que conseguimos mudar paradigmas”, orgulha-se Maria Beatriz.

Ela lembra a importância de uma alimentação adequada, especialmente para crianças.  “Além de prevenir obesidade, diabetes e hipertensão, uma alimentação escolar saudável desenvolve hábitos que acompanharão as crianças por toda da vida. Sem mencionar o fato das crianças levarem para casa o que aprendem nas refeições escolares, mudando com frequência o padrão de alimentação nas próprias casas”.

No Estado do Rio de Janeiro, cinco municípios foram selecionados para participar desse projeto-piloto: Três Rios, Paraíba do Sul, Itaperuna, Pinheiral e Trajano de Moraes. Foram implementadas ações como capacitação de merendeiras e promoção do desenvolvimento local e regional, beneficiando os pequenos negócios envolvidos na cadeia produtiva de alimentos e bebidas. 

Outra frente do projeto é o Prêmio Alimentação Escolar Saudável, lançado em maio de 2015, que estimula e reconhece o empenho de todos os envolvidos na ação. “Um dos indicadores contemplados são as compras locais e regionais. Quanto mais as escolas comprarem produtos locais, mais estarão contribuindo para a economia local, incentivando agricultores e produtores da região”, explica Maria Beatriz.