Assim como as crianças e os adolescentes, as gestantes também têm um calendário próprio de vacinação. Com o objetivo de conscientizar as grávidas sobre a importância de seguir à risca as recomendações de imunização, a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) lançou recentemente a campanha “Calendário de vacinação da Gestante: um sucesso de proteção para mãe e filho”. De acordo com a pediatra Isabella Ballalai, presidente da SBIm, vacinar a gestante é um dos principais fatores de redução de mortalidade materna e infantil.

 

Grávida de 29 semanas, Daniela Passos, nutricionista e estudante de medicina, está em dia com o calendário para evitar problemas, como um caso que ocorreu em sua família. “Minha afilhada de um mês de idade ficou internada por 19 dias, porque teve contato com a bactéria que causa a coqueluche, mas não tinha anticorpos. Se minha prima tivesse tomado a vacina, isso, provavelmente, não teria acontecido”. E comenta: “A vacinação na gestação é uma importante medida de saúde pública”. Compreenda mais sobre a campanha.

Objetivo da campanha – “Queremos informar os médicos, os profissionais de saúde, as gestantes e suas famílias sobre a importância e os motivos da vacinação”, diz a doutora Isabella Ballalai. Vacinar a gestante é um dos principais fatores de redução de mortalidade materna e infantil. Imunizar a gestante é o que há de mais moderno e eficaz na proteção do bebezinho, antes que ele tenha seus próprios anticorpos. 

As principais vacinas para a gestante disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde – Difteria, tétano e coqueluche (dTpa): ela previne contra difteria, tétano e coqueluche. “Temos aumento no número de casos de coqueluche no país e o maior risco de óbito é em crianças menores de seis meses e, principalmente, menores de três meses de idade”, adverte a doutora Isabella. Tomando a vacina, você protege o bebê nesses primeiros meses de vida em que ele ainda não começou sua própria vacinação. O tétano neonatal (em crianças recém-nascidas) foi eliminado em 2016, mas não podemos parar de vacinar e, portanto, continua sendo rotina. Outra vacina importante é contra a Hepatite B, uma doença grave. Quando os adultos se infectam, correm o risco de desenvolverem doenças crônicas, como a cirrose e o câncer de fígado. A vacina contra a Hepatite B nas grávidas protege a mãe da doença, e o bebê de receber o vírus na hora do parto. Pelo menos 90% dos bebês infectados durante o parto desenvolvem doenças crônicas. Importante: se no início da gestação a grávida fez exame para Hepatite B e o resultado deu negativo, isso não impede que ela possa se contaminar. E a outra vacina essencial é a da gripe (influenza). A gestante está entre os grupos que mais vão a óbito pela gripe. Um motivo é que as mudanças no organismo deixam a grávida suscetível à infecção. Quando vacinamos a grávida contra a influenza, protegemos também o bebê via anticorpos da mãe. Há ainda vacinas recomendadas em situações especiais, e cada caso deve ser avaliado pelo médico da gestante. 

Movimentos antivacinas – A doutora Isabella menciona queno Brasil eles ainda são pequenos em relação aos Estados Unidos e a países da Europa. Mas não podemos menosprezar esses grupos. E afirma que a informação é a melhor arma. Na dúvida, deve-se consultar os médicos. Aliás, esses devem ficar atentos, bem como outros profissionais de saúde, pois circulam áudios em mensagens de WhatsApp, por exemplo, em que pessoas se dizem médicas e dão orientações sobre vacinação ou não. O profissional de saúde precisa estar seguro e informado para atender às grávidas. A cobertura de coqueluche, por exemplo, fica em apenas 40% no país.

 

Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (dTpa)

Para que serve: Prevenção contra difteria, tétano e coqueluche.

Quando tomar: A partir da 20ª semana de gestação. Deve ser tomada a cada gestação.

 

Hepatite B

Para que serve: Prevenção contra o vírus da Hepatite B, evitando inclusive a possibilidade de transmissão do vírus durante o parto. 

Quando tomar: Se a gestante não tiver sido vacinada, deve-se seguir o esquema 0-1-6 meses (três doses).

  

Influenza

Para que serve: Prevenção contra o vírus da gripe.

Quando tomar: Uma vez ao ano. A gestante é grupo de risco para as complicações que podem decorrer dessa infecção. Recomenda-se a vacinação nos meses da sazonalidade do vírus, nas estações do ano em que o vírus aparece mais, ainda que a grávida esteja no primeiro trimestre.

 

Verifique o calendário completo da vacinação da gestante, recomendo pela SBIm em: <https://sbim.org.br/images/calendarios/calend-sbim-gestante.pdf>.

Fonte: SBIm.