O líquido doce, colorido e em embalagens atraentes das bebidas esportivas (isotônicos) e energéticas atrai não apenas adultos, mas também crianças. Porém, o consumo desse tipo de produto na infância oferece risco à saúde. Bebidas esportivas são indicadas para atletas e, mesmo assim, com moderação. Saiba por quê.

 

Bebidas esportivas contêm carboidratos (açúcares glicose e frutose) e vitaminas, além de minerais como cálcio, potássio, fósforo e sódio, e servem para repor líquidos e sais perdidos durante a transpiração excessiva. As energéticas têm fórmula semelhante e ainda estimulantes, como cafeína, guaraná e taurina. A não ser que seu filho seja um atleta, ele não precisa dessas bebidas, porque corre o risco de engordar e estragar os dentes. Sem falar que as energéticas podem causar efeitos nocivos. Pressão alta, sobrecarga dos rins, coração acelerado, insônia e irritação são alguns deles. O melhor mesmo, dizem os pediatras, é a criança beber água e sucos naturais não industrializados.

“Isotônicos são bebidas destinadas a atletas e não devem ser consumidas por crianças, gestantes, idosos ou portadores de deficiência”, adverte a gastropediatra Junaura Barretto, do Departamento Científico de Suporte Nutricional da Sociedade Brasileira de Pediatria. Mesmo para as pessoas que praticam atividades físicas diárias, como caminhadas, musculação e ciclismo, beber isotônicos pode ser um bombardeio desnecessário de sódio, açúcar, corantes e aromatizantes, acrescenta a médica. O consumo frequente de calorias de açúcares na forma líquida é um dos principais responsáveis pelo ganho de peso em crianças e adultos: “As bebidas esportivas não saciam. E a sensação de prazer e bem-estar é gerada pelo alto teor de açúcar das fórmulas”, diz a pediatra. Essas bebidas têm também muito sódio. Para se ter ideia, a quantidade máxima de sódio para crianças acima de 2 anos, definida pela Organização Mundial de Saúde, é de 2g/dia (cada caso deve ser avaliado pelo pediatra).

“Uma garrafinha de bebida isotônica contém, em média, 225mg, o que corresponde a 11% da recomendação”, alerta a pediatra. Ela explica que, somado ao consumo excessivo de fast-foods e de alimentos industrializados (com alto teor de sódio), o consumo de bebidas esportivas ou energéticas na infância é ainda mais perigoso.

Portanto, as bebidas isotônicas são alimentos somente para fins especiais, classificadas como suplementos hidroeletrolíticos para atletas, isto é, destinadas a auxiliar a hidratação. São úteis para pessoas que praticam treinamentos exaustivos e participam de competições, com grande perda de líquido pelo suor e pela respiração. Criança tem que beber água!