Uma alimentação saudável, balanceada e colorida precisa incluir frutas. Muitas frutas. Depois do leite materno, elas são os primeiros alimentos a serem introduzidos na alimentação infantil e a senha para um novo mundo de sabores, cores e texturas. Segundo a nutricionista Patrícia Jaime, da Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição do Departamento de Atenção Básica da Secretaria de Assistência à saude do Ministério da saude, esse é um momento muito delicado, que merece toda a atenção da família e dos cuidadores, já que a forma como são apresentadas às crianças será decisiva para sua aceitação: "A oferta de alimentos deve se iniciar aos 6 meses, como complemento ao aleitamento materno. Essa alimentação deve ser variada e colorida, contemplando todos os grupos de alimentos. Não existe padrão de comportamento ou de gostos, cada criança irá receber o alimento ofertado de uma forma diferente. Caso haja recusa de algum alimento, a recomendação é que se ofereça novamente o alimento rejeitado em outras preparações, com outros cortes e formas de apresentação, e em outras combinações. São necessárias, em média, oito a dez exposições a um novo alimento para que ele seja aceito pela criança."

Crianças maiores podem ser incentivadas a comer mais frutas com muita conversa e nenhuma imposição. Para Patrícia Jaime, a informação é a melhor ferramenta para uma alimentação saudável. Tudo, claro, numa linguagem acessível para cada faixa etária: "Assim é possível fazer com que a criança reflita sobre o que está comendo e sobre o seus hábitos alimentares", afirma a especialistas, lembrando que os hábitos da família e os exemplos das pessoas que convivem com a criança são outros fatores importantes.

Fontes de vitaminas, minerais e fibras, as frutas devem ser oferecidas in natura e de acordo com a região e safra. Além de mais nutritivas, são mais baratas. Na falta da fruta fresca, a nutricionista recomenda atenção à escolha de polpas e das versdesidratadas: "Em qualquer procedimento que envolva manipulação de alimentos, há perdas de nutrientes. No entanto, existem formas de manipulação em que as perdas são menores. O importante, ao comprar uma polpa ou uma fruta desidratada, é dar preferência a produtos sem adição de conservantes, adoçante ou açúcar."

Quando a criança resiste ao consumo de frutas, a nutricionista sugere diálogo: "O mais importante é conhecer o porquê de a criança não gostar de determinado alimento e mostrar para ela a importância da alimentação variada, principalmente considerando os alimentos regionais (veja o quadro abaixo)."

Criatividade também é um ingrediente importante nos cardápios. No caso das frutas, elas podem virar salada de frutas, sucos e também ser usadas em receitas salgadas, como feijoada com laranja, tapioca com queijo e coco, farofa com banana ou açaí, tudo de acordo com a cultura local.