Criança precisa de suplementos vitamínicos? Quem responde sobre o tema é a presidente do Comitê de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria do Estado do Rio de Janeiro (Soperj), Monica de Araújo Moretzsohn. Em sua concepção, polivitamínicos e minerais contribuem para que haja crescimento e desenvolvimento adequados na infância, mas a indicação deve ser feita sempre por um médico, pois doses excessivas podem causar graves danos à saúde. Acompanhe a seguir a entrevista que ela concedeu ao portal Obesidade Infantil Não.

 

OIN Os suplementos vitamínicos são necessários para as crianças? A partir de que idade?

 

MONICA MORETZSOHN – Os suplementos vitamínicos são necessários em situações específicas, quando existe deficiência de algum componente. Por exemplo, em casos de dietas restritivas (vegetarianismo), de crianças com seletividade alimentar importante e de algumas circunstâncias em que é preciso prevenir a deficiência. Os suplementos podem ser utilizados em qualquer idade, inclusive em prematuros, desde que adequadamente receitados por pediatra.

 

 

OIN Quais suplementos vitamínicos são mais comumente necessários em bebês e crianças e qual sua função?

 

MONICA – Nos primeiros dois anos de vida, a Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda a suplementação de ferro (dos três aos 24 meses de idade) e de vitamina D (a partir do 7° dia de nascimento até os 2 anos). A função é evitar a deficiência desses micronutrientes, essenciais para o crescimento e o desenvolvimento infantil.

 

OIN – Quais alimentos ricos em vitaminas podem ajudar a suplementação em bebês e crianças? 

 

MONICA Uma alimentação variada, que contenha todos os grupos de alimentos – hortaliças, frutas, cereais, leguminosas e produtos de origem animal, como carnes e laticínios –, fornece as vitaminas e minerais que precisamos. Por exemplo: as carnes são boas fontes de ferro, zinco e vitamina B12, os vegetais amarelos e alaranjados são ricos em caroteno (vitamina A), os cereais são fontes de algumas vitaminas do complexo B e as frutas cítricas são ricas em vitamina C. Por isso, é importante consumir alimentos de todos os grupos, mantendo uma alimentação diversificada e colorida.

 

OIN – Como os pais podem identificar a necessidade de suplementação vitamínica em seus filhos?

 

MONICA A suplementação é necessária no caso de crianças que são muito seletivas e não consomem determinado grupo de alimentos, por exemplo. Crianças que não bebem leite e não comem seus derivados podem ficar com deficiência de cálcio e vitamina B2. Já as crianças vegetarianas podem apresentar deficiência de ferro, vitamina B12 e zinco, se não receberem esses nutrientes de outras fontes. Crianças que não consomem frutas e vegetais, por sua vez, podem apresentar deficiência de vitamina A e C. É importante lembrar que a manifestação clínica da carência de um nutriente pode aparecer após meses. Por isso, crianças que excluem do cardápio determinados grupos de alimentos devem ser avaliadas pelo pediatra e, se necessário, receber suplementação.

 

OIN – Excesso de vitaminas pode causar danos a bebês e crianças? De que tipo?

 

MONICA Os polivitamínicos devem ser receitados pelo pediatra, pois existem inúmeras preparações no mercado, especialmente no que se refere às vitaminas lipossolúveis (que necessitam de gordura para sua absorção): A, D, E e K. Essas vitaminas podem se acumular no organismo, levando à intoxicação, e causar danos graves. A vitamina D em excesso, por exemplo, pode causar dor de cabeça, enjoo, vômitos, irritabilidade e depósito de cálcio nos rins e outros órgãos; enquanto o excesso de vitamina A pode aumentar a pressão intracraniana. Já o excesso de ferro pode causar doença grave de fígado. Portanto, polivitamínicos e minerais devem ser prescritos por médicos, pois doses excessivas podem causar problemas irreparáveis à saúde.