Uma das primeiras recomendações de nutricionistas e pediatras para as famílias que têm crianças e adolescentes acima do peso é restringir o consumo de refrigerantes. O problema é que, em muitos casos, guaraná e companhia são substituídos por chás industrializados, que contêm quase o mesmo teor de açúcar. Para a nutricionista funcional Nara Corona, especializada em nutrição infantil, as infusões caseiras, preparadas com ervas frescas, são as melhores opções para a rotina de crianças e adolescentes. Ela explica que, diferentemente dos sucos naturais, que contêm muitas vitaminas e nutrientes, os chás oferecem substâncias capazes de atuar como estimulantes ou calmantes no organismo, mas não alimentam: “Vejo muitas crianças que tomam mate o dia inteiro, como se fosse água. Não é. É uma oferta gratuita de açúcar. Deve ser consumido como uma bebida de fim de semana ou festa”.

 

Saiba mais sobre o uso de infusões:

 

Erva-mate e chá preto: Contêm cafeína em teores que geralmente são bem tolerados por crianças e adolescentes. Seu efeito estimulante pode ser potencializado pela associação com o açúcar. Pode também pode provocar desarranjos intestinais em crianças e adolescentes com maior sensibilidade. “Preste atenção às quantidades de consumo e às reações como agitação e alterações intestinais”, recomenda Nara Corona, sugerindo o preparo de infusões caseiras bem diluídas e pouco adoçadas. 

Café: Em pouca quantidade, também é bem tolerado por crianças e adolescentes. Não deve ser servido à noite para não atrapalhar o sono. “Evite que as crianças tomem café após as 16 horas”, diz a nutricionista.

Camomila: Tem ação calmante. Ótimo para ser consumido antes de dormir.

 Hortelã: Atua como digestivo. Pode ser servido quente ou gelado.

 Erva-doce: Levemente digestivo.

Saquinhos: A nutricionista chama a atenção para o uso de ervas secas, embaladas em saquinhos ou em caixas. “Tem que conferir a validade dos chás. Aqueles saquinhos esquecidos no fundo do armário podem conter fungos que levam certas toxinas para o organismo. Principalmente em crianças pequenas, há um risco de intoxicação alimentar”, alerta.

Industrializados: Na rua ou em eventos especiais, dê preferência aos chás comercializados em embalagens tetra pack porque, em geral, contêm menos aditivos químicos do que aqueles comercializados em copos ou garrafas pet. Mas atenção para o teor de açúcar. Sempre leia o rótulo. 

 Ervas frescas: São sempre a melhor opção. “Lembre-se de não adoçar os chás oferecidos a crianças menores de dois anos”, diz a nutricionista, mãe de Nina, de quatro anos, à espera mais um bebê.