A obesidade infantil é motivo de preocupação e debate constante na medicina. E isso não acontece à toa: estamos vivendo uma época de crescimento exponencial dessa taxa em todo o mundo. Segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde, 41 milhões de crianças com menos de 5 anos estão obesas ou acima do peso - e o sedentarismo é um dos grandes culpados.

Com o avanço das tecnologias, principalmente das focadas no público infantil, os hábitos dos pequenos foram mudando. Muitos passaram a gastar boa parte do seu tempo em frente aos celulares e videogames, deixando de lado o exercício físico e as famosas brincadeiras de rua.

Mas, enquanto alguns jogos seguem na direção contrária à uma vida saudável, outros podem estimular e demandar que as crianças se movimentem para concluir os objetivos propostos. Videogames com sensores de movimento - como o Wii, o Kinect ou o Playstation Move - são exemplos dessas brincadeiras.

Por meio de consoles e câmeras especiais, os jogadores precisam se posicionar em frente ao jogo e efetivamente fazer o movimento do personagem para que a interação aconteça - e não somente apertar teclas que darão o comando de ações.

Outra opção que fez grande sucesso é o Pokémon Go. A brincadeira, dessa vez para smartphones, cria uma realidade aumentada que demanda aos jovens irem às ruas e, caminhando com o aplicativo aberto, procurar Pokémons escondidos pela cidade. O resultado foi um aumento na quantidade de passos dados entre os jogadores, se comparado ao período anterior ao lançamento.

Jogos não substituem a prática de esportes

Mas, é claro, temos que ficar ligados: por mais que tenham benefícios, os jogos que estimulam o movimento devem ser vistos apenas como um estímulo para sair do sedentarismo ou como complemento a outras práticas. Isso porque eles são considerados atividades, e não exercícios físicos - ou seja, são movimentos livres, que não necessitam de um profissional orientando e controlando a intensidade.

Além disso, ao praticar um esporte de fato, o professor que coordena a atividade irá corrigir movimentos mal executados e até mesmo trabalhar a disciplina, como no caso de artes marciais. Por isso, jogos com movimentos são boas opções para manter as crianças ativas e estimuladas a se exercitar, porém não devem ser a única prática adotada.