Apesar de naturalizado, o hábito de assistir televisão enquanto come pode prejudicar a digestão e a quantidade de alimento consumido

Duas atividades distintas, mas que com frequência se misturam: nos dias de hoje, o hábito de fazer refeições em frente à televisão se tornou naturalizado - e, por isso, raramente é negado às crianças. Mas estudos apontam que existem desvantagens físicas de comer com os olhos grudados na telinha.

A televisão funciona como uma distração para o ato de comer - o resultado é que o cérebro não processa corretamente o gosto do alimento e a quantidade que está sendo ingerida. Com isso, é comum comer mais quando a atenção está dividida - e, como é sabido, calorias em excesso podem levar à obesidade.

Se pensarmos no processo de digestão, também existem contraindicações. Por conta da distração, a comida não é corretamente processada e o corpo não consegue digerir de maneira satisfatória a quantidade ou tipo de alimento que foi consumido. Com isso, mesmo as crianças ficam mais propícias a passar por quadros de mal-estar e indigestão.

E tem mais: um estudo divulgado pela Academia de Nutrição e Dietética dos Estados Unidos apontou que, diariamente, ao assistir TV, uma criança é impactada por 10 a 13 propagandas que promovem algum tipo de comida ou comportamento ligado à alimentação. O que torna ainda mais preocupante é o fato de que mais de 90% desses conteúdos tratam sobre alimentos com excesso de ingredientes que deveriam ser evitados, como açúcar e carboidratos.

Como administrar o uso de telas por crianças

Os pequenos que não estão acostumados a comer vendo televisão são fáceis de manter afastados da telinha durante as refeições, claro. Mas, para os que já possuem esse hábito, desfazer o processo pode dar um pouco mais de trabalho. Por isso, nós separamos algumas dicas que vão ajudar a interromper esse comportamento e tornar o momento ainda mais saudável:

Mudança em família: no lugar da televisão, transforme o momento de refeição em uma oportunidade para reunir a família, sem distrações de TV ou outros aparelhos eletrônicos. Muitas crianças se espelham nos pais, por isso é importante que todos estejam juntos nessa.

Deixe os pequenos ajudarem na cozinha: crianças, principalmente os mais novos, gostam de sentir que estão ajudando ou aprendendo algo. Aproveite esse desejo e convide para ajudar no preparo da refeição - como preparar a mesa ou montar a salada. Assim, eles se sentirão mais envolvidos com o ato de comer.

Defina limites no uso de telas:  a Organização Mundial da Saúde não recomenda qualquer uso de TV ou tablets e celulares até os 2 anos para garantir o correto desenvolvimento do bebê. Após essa idade, e até os 4 anos, o contato diário deve ser de no máximo 1 hora.

Cuidado com as propagandas: ao assistir um programa de TV, a criança também terá contato com propagandas que estimulam um estilo de vida não saudável. Dê preferência a DVDs ou conteúdos de streaming. Além disso, programas educativos podem transformar essa hora em um momento de aprendizado.